.: Mulher na Política e no Terceiro Setor foi o tema abordado no primeiro dia do ciclo de palestras

A Semana da Mulher organizada pelo vereador do Partido dos Trabalhadores e presidente do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e região, José Antonio Fernandes Paiva, começou intensa de atividades. Ontem (4) a tarde foi realizada palestra com o tema Mulher na Política e no Terceiro Setor que contou com a presença da deputada estadual Ana Perugini (PT), a chefe de gabinete da deputada federal Luiza Erundina (PSB), Muna Zeyn, a médica e diretora do projeto Ilumina, Adriana Brasil e a fundadora da ONG Vira Lata Vira Vida, Miriam  Miranda. 

A violência contra a mulher é decorrente de uma sociedade sexista e se dá de inúmeros aspectos. Físico, moral, psicológico, social e patrimonial. No entanto, a deputada estadual Ana Perugini acrescenta ainda que a mulher é vítima da "violência institucional", ou seja, exercida pelo próprio Estado de Direito, como uma forma de agressão aos direitos das mulheres. E, igual a todas as outras, também precisa ser combatida. 

A deputada apontou números da participação política no Brasil. Na Câmara dos Deputados, de 513 deputados apenas 45 são mulheres; assim como na Assembleia Legislativa, de 94 só 11 são do sexo feminino. Mas, ao invés de concordar com a máxima de que "mulher não vota em mulher", a deputada critica o apoio dos partidos às mulheres. "Enquanto os homens têm milhares de panfletos, a mulher candidata tem apenas um", disse a deputada ao exemplificar o que chamou de "violência institucional".

A inserção das mulheres nas instituições governamentais, porém, não reflete diretamente a realidade da atuação na sociedade de forma geral. Como apontou Adriana Brasil, diretora da Associação Ilumina, de 77 entidades ligadas ao Grupo de Institutos Fundações e Empresas (GIFE), pelo menos 51% são comandadas por mulheres. Ela própria, médica por formação, está desde o início da Ilumina com uma participação de comando. "O cuidado (que a mulher) tinha apenas com o marido/filho hoje também está no outro", acredita, sobre o estilo de comando das mulheres.

De acordo com Muna Zeyn, não há uma sociedade justa sem o equilíbrio entre homem e mulher. “É preciso descontruir uma cultura milenar de que o homem se acha o ser superior. É preciso criar políticas públicas de proteção às mulheres, que vivem em condição de exclusão e violência. Houve significativo aumento de violência contra mulher. Na década de 80 havia um óbito a cada oito minutos. Hoje é registrado um óbito a casa seis minutos. É preciso colocar realmente em prática a Lei Maria da Penha”, ressalta.

Miriam Miranda, diretora-presidente da ONG Vira Lata Vira Vida, citou a ex-primeira-dama e socióloga Ruth Cardoso, para demonstrar os valores das mulheres no terceiro setor e lembrar que é preciso saber se impor para também abrir espaço na sociedade. "Se o primeiro setor, a lógica é governamental; o segundo, uma lógica de mercado; e o terceiro, de voluntários, onde entra a capacidade da mulher em ser solidária", refletiu.

Após as palestras foi realizado debate com mediação da jornalista Tereza Blasco. As atividades da Semana da Mulher continuam até sexta-feira, dia 8 de março, quando é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Hoje, 5, às 13h30, estarão em pauta os temas 'Saúde e Idosos'.


Fernanda Moraes (28.535)
Sindicato dos Bancários de Piracicaba e região
 

Youtube

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente